• jornalismo42

Imóveis atingidos pelas chuvas em Minas Gerais ficarão isentos de contas de água da Copasa

Após dias de chuvas e destruição em Minas Gerais, casas e comércios ficarão isentos do pagamento da conta de água e esgoto da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa). A medida é válida para imóveis de cidades que estão em estado de emergência ou calamidade, reconhecidos pela Defesa Civil Estadual . "As condições variam de acordo com a situação de cada imóvel", informou o comunicado da companhia.

Não será necessário que o cliente vá a uma agência, uma vez que, de acordo com a Copasa, a Defesa Civil já realiza a avaliação e listagem dos imóveis afetados pela companhia e pela Defesa Civil.


Veja como vai acontecer a isenção:

Imóveis que desabaram e/ou que foram condenados pertencentes à todas as categorias: Haverá isenção da conta referente a janeiro/2022. Nesses casos, haverá o corte do abastecimento e o cliente não precisará se preocupar, pois não receberá novas faturas. Os imóveis condenados e que passarem por obras poderão solicitar a religação sem custo.


Imóveis interditados temporariamente que pertencem à categoria Social: Haverá isenção da conta referente a janeiro/2022, e para a referência fevereiro/2022 o cliente poderá solicitar parcelamento, em até 12 vezes, com desconto de 50% dos juros.


Imóveis atingidos, mas que continuam em condições de uso/moradia, pertencentes à categoria Social: Haverá isenção da conta referente a janeiro/2022.


Imóveis atingidos, mas que continuam em condições de uso, pertencentes à categoria Comercial: Isenção do faturamento do volume até 10 m³ de água da conta referente a janeiro/2022, além disso, se o cliente tiver parcelamento vigente, haverá suspensão do pagamento por dois meses, sem cobrança de juros ou encargos, retomando a cobrança em março/2022.

Quase 400 cidades em situação de emergência De acordo com o boletim da Defesa Civil Estadual, divulgado nesta terça, 380 municípios mineiros estão em situação de emergência e não há cidade em estado de calamidade pública.

Desde o início do período chuvoso, em outubro de 2021, o estado registrou 47.912 desalojados, 7.336 desabrigados e 25 mortes.



0 comentário